Seção da Polícia Científica bate recorde de perícias em vestígios cibernéticos em 2024

Peças são objetos periciados, como celulares, HDs e computadores, vídeos, imagens e arquivos de áudio

28/02/2024 11H24

A Seção de Computação Forense da Polícia Científica do Paraná celebrou em janeiro um recorde de produtividade, com 584 peças examinadas. Foi o maior número para um único mês da história da entidade, que registrou média de 327 por mês em 2023. A média também está acima de 2021, até então a maior mensal (432), e é bastante superior a 2018, por exemplo, que encerrou com média de 159. Peças são objetos periciados, como celulares, HDs e computadores, vídeos, imagens e arquivos de áudio.

A seção, que conta com 34 peritos e um técnico, atua nas perícias em vestígios cibernéticos, ou seja, nos equipamentos ou dispositivos que armazenem informações digitais, como aparelhos celulares, máquinas caça-níquel, notebooks e tablets, ajudando a consolidar inquéritos policiais. Além disso também são realizadas análises de imagens para reconhecimento facial, recuperação de vídeos em DVRs e comparação de locutores.

O aumento na quantidade de peças concluídas é fruto de investimentos em automatização do trabalho, padronização dos exames, digitalização de processos e nova regulamentação sobre o nível de aprofundamento de cada um dos exames. Nos últimos anos também houve um aumento na quantidade de materiais digitais apreendidos nas operações ou das demandas das investigações para rastreamento das "evidências digitais".

A seção também iniciou 2024 com inovações, como o envio de transcrição automatizada via inteligência artificial de áudios (como os enviados via WhatsApp), o que possibilita rastreamento mais rápido diante do aumento da quantidade de áudios nos celulares, e melhorias na ferramenta de indexação de evidências, que é o sistema FERA - Forensics Evidence Report Analyzer, desenvolvido na Polícia Científica e que permite a busca quase instantânea do conteúdo das evidências digitais.

Todo esse trabalho embasa investigações comandadas pela Polícia Civil, Ministério Público e o Poder Judiciário. Um exemplo foi a morte de Tatiana Lorenzetti, em 2020. As perícias nos celulares dos acusados e da vítima ajudaram a provar que a morte dela não aconteceu em um latrocínio, mas foi um homicídio encomendado pelo ex-marido da vítima, que foi condenado a 37 anos e seis meses de prisão em regime fechado.

Outro exemplo foi no caso de Tatiane Spitzner, em 2018, no qual a perícia no computador da vítima contribuiu para a condenação do então marido da vítima a 31 anos e nove meses de prisão.

"A melhoria contínua do trabalho da Seção, tanto de processos quando na qualidade, já é parte da cultura que desenvolvemos entre os servidores. Os resultados são fruto de uma equipe focada e altamente qualificada, reconhecida nacionalmente, juntamente com as ferramentas e processos certos para o trabalho, que a cada dia estão mais evoluídos", afirma o perito criminal e chefe da seção, Henrique Galperin.

“A equipe da computação forense tem se esforçado para manter um elevado padrão de qualidade e tornar seus processos mais céleres e eficazes. A melhoria da produtividade reflete o investimento em equipamentos, a otimização de processos e o engajamento de todo o time, que está focado na busca por soluções para que os laudos periciais cheguem de forma mais célere aos inquéritos policiais e processos judiciais, contribuindo diretamente com o sistema de Justiça”, disse o diretor operacional da PCP, Ciro Pimenta.

Deixe seu comentário:

Veja Mais